You are currently viewing Investir em uma franquia ou começar um negócio do zero?

Investir em uma franquia ou começar um negócio do zero?

Existem diversas maneiras de começar no mundo do empreendedorismo; especialista da franquia Mundo Serralheiro explica qual modelo é mais vantajoso

Começar uma nova empresa, seja como franquia ou negócio próprio, exige investimento de tempo e dinheiro. Além disso, dependendo do tipo de negócio que se deseja iniciar, os custos podem variar de alguns milhares a alguns milhões de reais. Cada segmento possui diferentes tipos de despesas, no entanto, há custos que podem ser esperados para qualquer novo negócio, incluindo:

• Propaganda e marketing
• Investimento em infraestrutura
• Despesas de funcionários
• Equipamentos e suprimentos
• Taxas de seguro e licenças
• Despesas de pesquisa
• Despesas tecnológicas

Esses gastos existem tanto para os franqueados quanto para os proprietários de pequenas e médias empresas, porém para os franqueados esses custos geralmente vêm na forma de taxas.

Por exemplo, a maioria dos franqueadores cobra de seus franqueados uma taxa de royalties mensal em troca de permissão para usar a sua marca. Essa taxa é normalmente uma porcentagem das vendas brutas. Há também taxas de marketing, em que os franqueados se beneficiam de uma pesquisa de mercado aprofundada e planos de marketing comprovados.

Os franqueados também recebem treinamento e suporte contínuo para evitar o processo de tentativa e erro, às vezes cansativo e caro, com o qual os empresários independentes devem enfrentar ao descobrir o mercado e conhecer sua base de clientes.

Da mesma forma, os custos de materiais e suprimentos são acessíveis e normalmente de alta qualidade porque os franqueadores têm relacionamentos preestabelecidos e profundamente enraizados com os fornecedores e são capazes de alavancar o poder de compra coletivo.

Ao contrário das franquias, as empresas iniciantes não têm taxas de royalties ou custos predeterminados de marketing e publicidade. No entanto, só porque um empreendedor está administrando o seu próprio negócio não significa que não enfrentará custos recorrentes. A diferença entre franquias e negócios independentes é que, para franquias, essas mensalidades são fixadas no mesmo valor a cada mês. Quando a pessoa possui sua própria empresa, os custos recorrentes podem flutuar. Além disso, será necessário investir tempo pesquisando as diferentes formas de comercializar o produto ou serviço, estabelecendo a melhor tecnologia e determinando a personalidade da empresa.

“Quando um empresário ou investidor opta por comprar uma franquia, todas as decisões já foram pesquisadas e estabelecidas para garantir o sucesso da marca, trata-se de um sistema testado e comprovado, com maiores chances de sucesso do que uma empresa que está começando do zero. Isso acontece porque as franquias operam sob um modelo de negócios predeterminado que já trouxe resultados positivos, enquanto empresários que tem um negócio próprio fazem ajustes e decisões em seu modelo à medida que avançam”, explicou Trajano Neto, gestor da franquia Mundo Serralheiro, a primeira franquia do segmento de serralheria do país.

Taxas de mortalidade de franquias x negócios próprios

Uma pesquisa realizado pelo Sebrae, mostrou que a taxa de mortalidade das pequenas empresas com até dois anos de operação é de 23%, enquanto no franchising o mesmo indicador é de 3%.

Já em um estudo realizado pela FranNet, revelou que 92% das franquias continuam em atividade após dois anos e 85% após os primeiros cinco anos. Ao comparar com empresas independentes, o estudo mostrou que 25% falham no primeiro ano e 50% falham após cinco anos de operação, enquanto o restante permanece em atividade por 10 anos.

No entanto, nem toda franquia é uma aposta segura e nem todo negócio independente está destinado ao fracasso, por isso é importante pesquisar antes de investir.

Para Trajano, é primordial considerar as oportunidades e os desafios de cada modelo. “Uma das maiores vantagens em investir em uma franquia é poder caminhar com pessoas experientes, que tem o conhecimento para fazer o negócio acontecer. Todo esse know-how é passado para o franqueado assim que ele se torna um parceiro da empresa, ou seja, tudo o que foi conquistado em anos de aprendizado, o franqueado recebe assim que inicia na operação do negócio, é como se ele estivesse pulando uma etapa que leva anos, saindo na frente daqueles que decidem começar do zero”, finalizou Trajano, da franquia Mundo Serralheiro.